domingo, 11 de novembro de 2018

Tutóia: Bairro São José sofre com ausência de serviços públicos, especulação imobiliária e povoamento desordenado

 
Moradora é transportada em cadeira por vizinhos, o transporte não consegue chegar a té sua casa

A ocupação avança para as dunas


O Bairro São José (bairro praieiro de Tutóia) começou a crescer a partir da década de 1990 e foi povoado inicialmente por pescadores que migraram de outros estados e de povoados de Tutóia, lá pelos idos dos anos 1940. 

Atualmente é um dos bairros que mais cresce na cidade. Crescimento desordenado. Sem planejamento. 

A especulação imobiliária se processa a todo vapor. Moradores começam a se desfazer do pedaço de chão, que passaram a ocupar gratuitamente, por valores irrisórios. Mas, num futuro breve tenho certeza que veremos por ali hotéis, pousadas, emfim, empreendimentos turísticos de alto valor. 

Na tarde de hoje (11/11/18) subi as dunas ali perto do bairro, fiz algumas imagens, conversei com moradores. Um muito sábio, o Antonio. Outro, um pescador que tirava marisco da casca com a família. Outro, também pescador, que mudou para lá recentemente. E, por último, uma professora, que lamenta o que ela chama de "descaso com nosso bairro".

Pois bem, andando e ouvindo anotei algumas reclamações que doem no coração:

Inexiste ali naquelas ruas que andei  (foram duas) a pavimentação e sua falta impede, segundo o Antonio, que um veículo entre e possa levar uma pessoa para o Hospital como aconteceu recentemente com uma senhora (vítima de AVC-Acidente Vascular Cerebral) que teve de ser transportada em uma cadeira plástica, carregada por vizinhos, até o trecho que está pavimentado e poder seguir em um carro. 

A falta de pavimentação impede também a coleta pública de lixo doméstico; está impedindo o carro (uma toyota com tração) de levar água de beber que os moradores tem de comprar. A água vem dos poços do bairro Comum. Diga-se de passagem, Tutóia não tem, até os dias de hoje, abastecimento público de água. 

Uma quintanda (comércio pequeno) que existia, fechou, segundo o ex-dono, o carro que fazia entrega de refrigerante e compras do supermercado não fazem mais, alegam o acesso precarizado. Até mesmo as lojas de material de construção não querem fazer entregas.

O Antonio relatou que já fizera 8 (oito) requerimentos cobrando a iluminação pública, mas a rua continua escura (veja as imagens). Ele diz que a taxa vem sendo cobrada mensalmente na conta de luz. 

A área em parte está descoberta do serviço de Agente de Saúde, segundo ele. E o local alaga no período chuvoso e ele relata sua preocupação com a infestação de mosquitos (muriçocas) e o medo de surgirem doenças como a dengue. 

A pavimentação é uma das prioridades segundo o que me disseram. 


Três postes às escuras (a mesma foto acima e abaixo) 


Outra rua também com poste sem luz

 Muita areia e lamentação dos moradores

 As casas estão beirando as dunas

 A barraca demarca o futuro terreno

 Ocupação sem planejamento que avança a cada dia para as dunas e ou as dunas avançam para as casas


 Os tornos demarcam o futuro terreno 


 Ruas ficam totalmente alagadas no período chuvoso o que justifica a necessidade de um plano prévio antes da pavimentação










3 comentários:

  1. Essa reportagem q "enfim"o progresso está chegando em Tutóia, pois é melhor vender um terreno improdutivo barato para pessoas q comprarem fazer um terreno produzir do que ficar um bairro limpo cheio de nada,pois no final das contas com o progresso todo mundo ganha pois foi assim em Barreirinhas e vai ser assim aqui também

    ResponderExcluir

Colaboradores

Arquivo do blog